© 2019 por Phoenix Unicamp

  • w-facebook
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube

Trekking

(Baleia/Piranha)

     A categoria Trekking é relativamente nova nas competições brasileiras. Exige-se, basicamente, que o robô se locomova de forma autônoma em um campo de futebol e encontre três bases espalhadas em sua extensão e passe por cima delas.

    Baleia, nosso primeiro robô da categoria, conta com GPS, magnetômetro, Raspberry Pi, 4 motores, câmera de vídeo e um denso trabalho de programação e visão computacional para realizar a tarefa.

       Nosso projeto mais atual se chama Piranha, que conta com motor brushless e GPU Nvidia Jetson aliados a algoritmos de controle e processamento de imagens mais complexos, e é a atual bicampeã no Winter Challenge!

Sumô 3Kg - Autônomo e Rádio-controlado

(Ronda/Golem)

      O projeto original do robô Sumô 3kg chamava-se Poligno. Em 2012, ele  alcançou o pódio, ao conquistar o terceiro lugar. Posteriormente reformulamos o projeto com uma base de dimensões menores, ímãs fixadores, e redução no número de rodas de quatro para duas, devido às correias que acabavam criando um problema de tracionamento. Assim nasceram os robôs atuais da equipe: Ronda e Golem!

    A categoria de Sumô 3kg abrange pilotagem por meio de controle remoto (RC) e o modo Autônomo, em que o robô utiliza sensores infra-vermelhos para ver o adversário, além do desenvolvimento de códigos com sua estratégia de combate.

     Nos dois casos, o objetivo é empurrar o robô adversário para fora da arena, assim como no esporte japonês. Para isso, ambos os robôs possuem uma rampa que torna esse desafio uma tarefa mais fácil.

   Além disso, uma característica interessante dos sumôs é que eles possuem poderosos ímãs de neodímio em sua base, elevando sua força normal e tração de interação com a arena de aço. Isso gera um peso virtual em torno de quase 100kg ao robô, o que dificulta deslocamentos forçados por adversários.

Sumô LEGO

(Zeferino/Zefinho/Jr)

       Nessa categoria, os robôs são autônomos e devem ser construídos exclusivamente com peças Lego, com peso limitado a 1 kg. Assim como no caso do Sumô 3kg, o objetivo do sumô Lego é empurrar o robô adversário para fora de uma arena. Várias estratégias podem ser utilizadas, como rampa (para levantar o robô adversário, reduzindo sua normal) e bandeira (para confundir os sensores do outro robô e atacá-lo de lado); cada uma possui vantagens e desvantagens, portanto é necessário desenvolver várias para que um robô seja competitivo contra diferentes montagens. Como o Lego é bastante dinâmico, pode-se alterar detalhes de uma montagem entre as lutas para que robô se adeque aos vários oponentes.

    A grande novidade do semestre são as aulas de robótica para crianças entre 9-10 anos que estão sendo ministradas pela equipe utilizando o kit Lego Mindstorms. Aguardamos ansiosamente a estreia deles na categoria Lego Júnior!

Antweight 454g

(Sovai)

     Criado inicialmente como projeto para os novos membros da equipe se adaptarem, já que essa é a mais leve categoria de combate, o Sovai foi projetado e construído em apenas 3 meses, tendo sua base no Spartacus, um robô de rampa. Mesmo com o pouco tempo de criação, ele conseguiu vencer 3 lutas e alcançar a 11ª posição dentre 42 robôs em sua estreia.

     A categoria Antweight, por mais que seja uma categoria de combate assim como outras, se individualiza por ter uma limitação de peso e tamanho tão significativa que o desafio de criar força e velocidade com pequenos componentes se torna gigante!

Beetleweight 1,3Kg

(Pizzaiolo)

      Surgiu no final de 2012 a ideia de se participar da categoria Beetleweight, que virou realidade com o projeto do Pizzaiolo. Desde o começo, ele trouxe uma inovação à categoria ao utilizar uma arma rotativa horizontal spinner.

        A armadura é feita com alumínio devido ao limite de peso, já a arma é de aço 4340 temperado para uma maior dureza. Vale mencionar que um dos maiores desafios desse robô é o seu espaço interno limitado, devido ao modelo de arma utilizado.

    Atualmente estamos desenvolvendo um novo robô para a categoria com arma do tipo "EggBeater",  uma arma rotativa vertical que é mais compacta e eficiente.

 

Featherweight 13,6Kg

(Spartacus)

     O Spartacus, projetado para a competição do Winter Challenge 7ª edição, surgiu de um projeto com pouca verba, sendo um desafio desde o início para a equipe. Competindo na categoria Featherweight (até 13,6 Kg), trata-se de um robô do tipo rampa de três apoios, possuindo dois motores independentes e utilizando duas caixas de redução universais. Sua armadura é feita de aço inox e, em breve, ele contará com um lança-chamas em sua rampa!

     Sendo atualmente um dos robôs de combate mais competitivos da equipe, o Spartacus foi protagonista de grandes momentos, como no Winter Challenge IX, em 2013, quando ele conquistou o primeiro lugar como campeão invicto.

Lightweight 27,2Kg

(Tiger)

        Tiger é um projeto criado em 2015 na categoria LightWeight (até 27,2 Kg), uma das mais disputadas dentre as categorias de combate e, atualmente, a categoria que corresponde aos maiores e mais pesados robôs no Brasil.

     Sua arma principal é um tambor cilíndrico rotativo de eixo estático, a qual não somente representa uma das maiores armas da categoria, como também um desafio técnico para sua fabricação. O tambor possui um dente único e um dente duplo no lado oposto, ambos de aço 4340 temperado.

        Além disso, com o estímulo do Instituto de Pesquisas Eldorado, os motores Brushless foram implementados no projeto. Eles funcionam sem escovas, o que dificulta a leitura de sua rotação assim como o controle do motor, porém são mais leves e possuem maior potência em relação a motores escovados. O robô está sempre em grandes desafios!

Seguidor de Linha

(Bobby Aldevice)

     Nosso robô seguidor de linha nasceu da reestruturação do projeto antigo da categoria, o robô ARMStrong. Desde o princípio, nosso objetivo era aprimorar sua composição cada vez mais, visando diminuir seu tempo de percurso.

    Bobby passou por uma série de melhorias em sua estrutura física, além de aprimoramentos em sua estratégia de movimentação, como a utilização de sensores de refletância e servos. Junto a isso, seu código conta com a implementação de um algoritmo de Controle PID.

    Atualmente, estamos mais uma vez reformulando o projeto do seguidor em busca de sempre melhorá-lo. Contaremos com um novo formato de robô por meio da utilização de impressão 3D e a própria estrutura de sua placa eletrônica, deixando-o ainda mais leve e rápido.

Honda

Honda derrubando o adversário